Livros sobre cicloturismo e bicicletas




Literatura, bicicleta e viagem é uma combinação bem interessante. Quem lê se liberta. Quem lê, viaja. De bicicleta é possível se livrar de várias coisas e também é possível viajar, então elas se completam.
Abaixo, alguns livros bem interessantes sobre o assunto:

NO GUIDÃO DA LIBERDADE - Antonio Olinto
SETE PASSOS ANDINOS - Antonio Olinto
AVENIDA DAS AMÉRICAS - Carlos Andre Ferreira
O MUNDO AO LADO - Arthur Simões
TRILHANDO SONHOS - Thiago Fantinatti
SETE ROTEIROS DE AVENTURAS - José Antonio Ramalho
CAMINHOS - VOLTA AO MUNDO DE BICICLETA - Argus Caruso Saturnino
AMAZÔNIA, VIAGEM QUASE IMPOSSÍVEL - Louise Sutherland
ATRAVESSANDO FRONTEIRAS -  David Cruz
PEDALANDO PELA ÁFRICA - Toco Lenzi
CICLISMO: UM GIRO PELA EUROPA - Paulo M S Coelho Santos
PEDALADA DEL FUEGO - Fabio Zander
PEDALADA SOLITÁRIO: DO OIAPOQUE AO CHUI - Valdecir J. Vieira (Valdo)
PEDALANDO NAS NUVENS - Valdecir J. Vieira
PEDALANDO E DESVENDANDO A CARRETERA AUSTRAL - Valdecir J. Vieira
BRASILIA - PARATY - Weimar Pettengill
NORUEGA BY BIKE - Aurélio Magalhães
PELOS CAMINHOS DE NUESTRA AMÉRICA: Rafael Limaverde
DIÁRIOS DE BICICLETA - David Byrne
UM SONHO DE BICICLETA - Rafael Damasceno
PRIMEIRO PASSO PARA UMA GRANDE CONQUISTA... {SONHAR} - André Pasqualini
A VIDA EM CICLOS - André Pasqualini
EXPEDIÇÃO PEDAL BRASIL - Waldir Neto
TRANSPATAGÔNIA PUMAS NÃO COMEM CICLISTAS - Guilherme Cavallari
TRAVESSIA 747 DIAS DE BICICLETA PELO MUNDO - Charles Zimmermann
HOMEM LIVRE  AO REDOR DO MUNDO SOBRE UMA BICICLETA - Danilo Perroti Machado
O LEÃO DA TOSCANA - Aili e Andres McConnon
MINHA GARAGEM É UMA SALA DE ESTAR - Luis Patrício
MAIS QUE UM LEÃO POR DIA - Alexandre Costa Nascimento

Litoral de Santa Catarina - Dia 02

O segundo dia tinha como destino final o município de Barra Velha, passando pela Vila da Glória, cuja estrada estão asfaltando e por causa da chuva acabou se transformando numa aventura à parte. Pra ajudar, meu câmbio dianteiro desregulou, impedindo que a coroa menor fosse acionada. A bike ficava cada vez mais pesada, e a garoa forte na já enlameada estrada faziam os pneus espirrarem lama pra todo lado (mais na camiseta branca kkkkk). 


Nas proximidades da Vila da Glória a estrada melhorou. Paramos num posto de gasolina pra jogar água nas bicicletas e eu percebi o pneu traseiro murcho. O Rafael correu pro local da lancha, mas o valor não agradou e por isso decidimos pedalar mais 7 km até a balsa pra São Francisco, chegamos às 9:50 h, mas a balsa só sairia as 11:00h. O jeito foi esperar, o que proporcionou tempo para trocar a câmara e degustar uma coca.
A travessia da baía da Babitonga demorou uns 45 minutos.





Depois da balsa pedalamos até Barra do Sul, onde almoçamos. Depois do almoço o Rafael deu uma geral no câmbio da minha bicicleta, que permitiu utilizar novamente todas as marchas. 

À direita, o canal do Linguado
Barra do Sul
Pra chegar em Barra Velha optamos por uma estrada de terra que nos levou até as proximidades do pedágio da BR 101 - uns 10 km antes da cidade. 



Nessa cidade optamos por pedalar pela beira mar, perguntando para algumas pessoas pela localização de um camping, embora o Rafael tivesse um contato de camping uns 15 km à frente, no município de Penha.


Enquanto pedalávamos observando a paisagem e suas componentes um carro emparelhou ao nosso lado e o motorista perguntou de onde vinhamos. Conversamos brevemente, ele disse que também era ciclista e que achava legal o que estávamos fazendo. Perguntamos então onde havia um camping. Ele não sabia de nenhum, mas ofereceu o quintal de sua residência para montarmos as barracas. Ótimo! Seguimos o seu carro e logo estávamos na sua casa conhecendo seus pais e seu irmão, que chegaram da praia um pouco depois de nós.
Além do lugar para as barracas, Deleon e sua família disponibilizaram uma extensão com energia elétrica, água pra beber e lavar as camisetas e o banheiro, ou seja, tudo que nós precisávamos. 
Já instalados o Rafael foi dar uma olhada na sua bicicleta e constatou um problema com o eixo traseiro que necessitava de um reparo especializado, portanto teria que visitar uma bicicletaria. Como já passava das 19:00h, obviamente o conserto ficou para a manhã seguinte.
Depois fomos a uma lanchonete indicada por Deleon e como só serviam refeições no almoço, o jeito foi devorar um lanche mesmo. Ali combinamos o que faríamos no dia seguinte. 
Eu queria conhecer a estrada Inter Praias em Balneário Camboriú. Rafael, que já conhecia a estrada, queria chegar perto de Palhoça, por isso decidimos pedalar juntos até a praia de Balneário Camboriú. A partir de lá eu iria pela Inter Praias e ele voltaria para a BR 101 para adiantar sua viagem. Plano combinado, agora era hora de descansar. 
E assim terminou o segundo dia, com 98 km pedalados.
    

LITORAL PARANÁ / SANTA CATARINA

DIA 01 - 05 de janeiro de 2015

A ideia era sair de São José dos Pinhais - Região Metropolitana de Curitiba (PR) e chegar em Itapoá (SC) naquele mesmo dia, porém quando cheguei em Guaratuba já estava cansado e querendo arrumar um pouso. No roteiro desse dia , rumo ao litoral paranaense, passei pela BR 277, e pela PR 407, que apesar de mais distante, possui acostamento, o que torna o pedal mais seguro. 

Viaduto dos Padres - BR 277

Almocei no Balneário de Riviera e fui em direção ao ferry boat, pra chegar em Guaratuba. Na frente da igreja havia um módulo móvel da polícia militar e eu fui até lá para me informar sobre a localização de um camping. Ali acabei encontrando outro ciclista, o Rafael, que estava perguntando sobre a saída para Itapoá. Conversamos rapidamente e eu decidi acompanhá-lo. Rafael estava indo pra Criciúma, encontrar sua família e tinha um planejamento detalhado para seu cicloturismo. O curioso é que não nos conhecíamos, saímos praticamente no mesmo horário de nossas casas, moramos na mesma cidade, relativamente perto um do outro e acabamos nos encontrando, por acaso.
Com um companheiro, o deslocamento até Itapoá, ficaria mais fácil, apesar do cansaço. Antes, porém, ele precisava encontrar uma oficina para realizar uma solda na carretinha da sua bicicleta. 


Serviço pronto, dá-lhe pedal. Na entrada de Itapoá passamos num mercado e rumamos para o camping que o Rafael tinha o contato.
Acampamento pronto, agora era hora de descansar.

Acampamento pronto - dia 01 - foto: Rafael
Dia 01 terminado com 155,3 km pedalados.

Pedalzinho de fim de ano

Finalmente fui fazer um pedalzinho pelas bandas das Colônias de São José. Coisa leve, pra evitar a fadiga, pois fazia um bom tempo que não colocava a Marla pra rodar. Até os pedais pro trabalho foram drasticamente reduzidos nos últimos tempos devido a um conjunto de circunstâncias, mas, como diz meu pai - nada aborrece - e agora pelo jeito a temporada de pedais está voltando. 
Hoje passei pelo Rio Pequeno, rodei por umas estradinhas bacanas e um subidão de usar a coroinha, mas valeu a pena. Passei pela Colônia Acioli e desci rumo a Colônia Mergulhão, passei pelo Caminho do Vinho, Costeira do Cupim e Colônia Murici, perto da santinha. Pra voltar pra casa ainda desci pelo asfalto novo - quase completo - que passa pelo seminário até o Barro Preto e retornei pela outra rua que está sendo asfaltada e que vai até o Bradesco (ó o merchan) da rua Joinvile. No total foram 32 km e aquele bacon queimado.